10 dicas ao montar seu portfolio online como web site

Precisa criar um portfolio online? Confira dicas para fazer seu site, mostrar seus trabalhos e conseguir novos clientes!

Certa vez escrevi sobre como fazer um portfolio, o que envolvia dicas sobre portfolio impresso e muito pouco sobre portfolio online. Então, após compartilhar alguns modelos de portfolio, achei que estava na hora de escrever sobre o assunto: Como montar um portfolio online?

pasta portfolio online

Portfolio: É hora de mostrar seus trabalhos! (foto: SXC)

» Siga-me no twitter, assine o feed ou a newsletter para ler mais novidades!

Dicas para montar seu portfolio online

Separei dez dicas essenciais para você que pretende criar um site para mostrar seus trabalhos. Outras dicas você encontra nos posts acima, então sugiro a leitura de tudo – até porque quanto mais você lê, mais conhecimento você tem. E se você achar que faltou algo, sinta-se à vontade para deixar seu comentário! Quem sabe não surgem novos posts?!

1 – Facilite para o usuário

Esse é um tópico que vai se prolongar em alguns dos tópicos seguintes, mas merece uma atenção especial: Quanto mais fácil de usar é, mais atraente é.

É importante lembrar que “design também é usabilidade”, e uma coisa que eu sempre digo é: se as pessoas vão usar, não tem que ser bonito. Exemplo? Remédios. Tem quase sempre o mesmo formato, eventualmente mudam de cor, mas, em sua maioria, são sempre a mesma coisa. Um comprimido em formato de uma ferrari ou de uma rosa seria bem mais bonito que algo que lembra um MM’s, certo? Sim, concordo. Mas imagine-se engolindo uma rosa, com aquele formato todo pontiagudo. Doloroso, não é mesmo? É por isso que o design dos comprimidos seguem um padrão: Eles precisam ser facilmente engolidos. Nem todos são, é verdade, mas ainda é melhor que ficar entalado com uma miniatura da Ferrari na garganta, certo?

O design é a usabilidade em si. Se você muda o design, você muda a forma de usar. Então, tenha isso em mente: Não faça algo bonito, porque bonito é algo extremamente vago tendo em vista que o bonito pra um pode não ser pra outro. Faça algo usual, algo que de tão simples de ser usado torna-se viciante. Afinal, você consegue jogar só uma partida de Pong, por exemplo? São dois traços e um quadrado que cruza uma linha pontilhada. É viciante porque é simples.

pong

Não é necessário pensar muito, e só por isso a aceitação é bem maior.

E nem pense em fazer uma página com estrutura diferente da outra. Quando o usuário vê a primeira página, ele vai memorizar onde está o menu e outras informações relevantes (assim como você sabe em qual gaveta estão suas meias e em qual lugar da carteira está seu cartão de crédito). Se em cada página que o usuário acessar ele tiver que lidar com uma estrutura de navegação completamente diferente, muito provavelmente ele vai se cansar e ir embora. Eu mesmo já fiz isso.

Pense no usuário – seu portfolio será usado, não admirado. Seus trabalhos sim serão admirados, mas eles precisam de um site para mostrá-los.

2 – Tenha opções de contato rápido

Quantas vezes você entrou em um site só pra ver o número de telefone ou o email para contato? Pois é. Isso acontece muito. Posicione um contato rápido (seu e-mail por escrito, telefone etc) de forma discreta (porém visível) em uma posição padrão em sua estrutura (no rodapé, na lateral, lá no topo, que seja).

Como eu disse, seja discreto. Não passe a impressão de que você está gritando e/ou implorando por um contato – use seu trabalho para convencer o visitante de que ele deve te contatar.

3 – Use formulário de contato

Imprescindível. Mesmo com o contato rápido, tenha um formulário de contato – de preferência com opções diferentes caso você tenha diferentes tipos de serviços.

Não é redundante ter seu e-mail repetido em todas as páginas do site e uma página com formulário de contato, muito pelo contrário – você dá opções para o visitante, faz com que ele tenha controle da situação. O mesmo irá escolher o que for mais fácil para ele no momento.

Exemplos: Contato e Orçamento de sites e blogs.

4 – Use mídias sociais

mídias sociais

Estamos em 2012. Foi-se a época em que redes sociais eram usadas apenas para se matar tempo no trabalho – agora elas são usadas como trabalho (e como algo para se matar tempo no trabalho).

Boa parte do mundo está nas mídias sociais, e seus clientes em potencial fazem parte deste mundo. Mas não crie um perfil só por criar – interaja, faça parte. Não “faça a social”, seja social.

5 – Encoraje o visitante a permanecer no site, mas não force a barra

Se seu site tem uma navegação simples, já ganhou pontos para que o usuário passe mais tempo nele. Se seus trabalhos são ótimos, mais ainda!

Em uma página que você mostra um de seus trabalhos, mostre miniaturas de outros para que o visitante possa escolher facilmente qual ele vai querer ver em seguida. Mas, como eu disse, não force a barra: é ele quem vai escolher, não tente forçá-lo a fazer algo empurrando milhares de opções ou sendo extremamente chamativo.

6 – Seja direto

É sempre bom ter uma página falando sobre você, outra sobre seu modo de trabalho e por aí vai. Mas uma coisa é certa: Ninguém quer ler textos imensos em um portfolio (e nem em um currículo, mas isso é assunto para outro post). Você tem bastante história pra contar? Ótimo, resuma ao máximo e use imagens. Se você conseguir transformar três parágrafos em três linhas, vai chamar – e muito – a atenção.

Voltando ao primeiro tópico, a navegação precisa ser bastante intuitiva e, é claro, simples. Deixe seus trabalhos a um clique, é isso o que importa. São seus trabalhos que vão gerar interesse, não textos longos explicando o que você sabe fazer ou qual é sua formação. Tenha um canto só seu, mas deixe seus trabalhos falarem mais sobre você.

7 – Selecione os melhores trabalhos

Menos é mais, isso é fato. É como eu disse no tópico acima sobre transformar 3 parágrafos em 3 linhas: Se você faz uma lista com todos os trabalhos que você fez, de certa forma, mostra que você não tem muito critério.

prateleiras

Imagina que você tem tudo isso de trabalho e resolve mostrar tudo. Por onde eu começo a olhar? (foto: SXC)

Se você fez 20 trabalhos em uma área, pegue os 7 melhores trabalhos, por exemplo. Afinal, dentro desses 20 vai ter pelo menos UM trabalho ruim, e além de uma lista extensa de trabalhos ser cansativa, “uma fruta podre pode estragar as outras”. Até porque, cá entre nós, quem trabalha em áreas criativas sofre com refações dos clientes e dos superiores – muito do que você fez não foi feito por você. Podemos separar este fato em duas partes: A parte em que foi você quem fez o trabalho, mas a ideia não foi sua (ou seja, cliente ou chefe bateu o pé e disse “eu quero assim”); e a parte em que você não fez o bastante para dizer que foi você quem fez. Complexo? Explico abaixo.

8 – Um trabalho só é seu se foi você quem o fez

Você direcionou o designer falando “faz isso que vai dar certo”, “usa essas cores” ou “usa esses três trabalhos como referência, mas troca a ordem das fotos”? Então, sejamos francos, o trabalho não foi seu. E não, você não fez a “direção de arte” por dar sua opinião – um diretor de arte vai muito além disso.

Seja honesto. Quer uma verdade? Eu já vi muitos portfolios e entrevistei algumas pessoas para vagas de web design. Em alguns casos, vi alguns trabalhos bem legais, e então contratamos os donos de tais portfolios. Na hora da prática, não vimos 10% do que estava no portfolio, o que nos levou a crer que aqueles trabalhos 1) foram feitos com outras pessoas, e a tarefa do candidato à vaga aparentemente foi buscar por imagens no google ou 2) tais trabalhos foram copiados de outra pessoa.

Se você não se orgulha do seu trabalho agora, acredite, isso é bom: mostra que você sabe que pode fazer melhor. Então suba um degrau por vez, corra atrás de melhorar e nunca deixe de ser honesto. Afinal, o que adianta usar trabalhos que não são, de fato, seus, se você vai ser mandado embora quando a verdade vier na prática?

9 – Mantenha o portfolio atualizado

Atualize sempre que possível, mesmo que você não tenha feito novos trabalhos. Como? Faça alguns por conta própria!

Como eu citei no tópico acima, infelizmente muitos trabalhos acabam tendo mais a mão dos clientes ou dos chefes, o que acaba mascarando a ideia que a gente realmente quis passar. E se você teve uma ideia jogada fora, por que não reciclar, refazendo-a por conta própria? Mostre suas ideias.

10 – Nem todo mundo sabe o que é um portfolio

Acredite, este é um fato relevante. “Portfolio” é uma palavra conhecida entre estudantes, por exemplo, mas seu futuro cliente pode não saber o que ela é. E daí? Bom, vamos supor que você coloque o link com a palavra “portfolio” no menu. Para um leigo, é muito mais intuitivo quando a palavra é substituída por “trabalhos”, por exemplo.

Evite ao máximo palavras estrangeiras, principalmente na navegação do seu site. Primeiro que é desnecessário, poucas expressões não tem tradução (a não ser que você esteja fazendo um portfolio de Stand Up). Muitas vezes o uso de uma palavra estrangeira dá um “plus” no texto, ok, concordo. Mas não precisa exagerar.

Bônus: Não existe “se alguém quer me contratar, ele vai correr atrás”

corrida

Faz fila, clientada! (foto: SXC)

Se seu site não tem uma navegação boa, se você é inacessível, demora para dar retornos e coisas do tipo, as chances de perder prospectos são grandes. Sim, os clientes dependem de nós, profissionais, para uma prestação de serviço, porém, há outros milhares de profissionais que podem ser extremamente inferiores a você em vários sentidos, mas por fazerem um atendimento melhor conquistam mais clientes.

Seja receptivo, faça um bom atendimento e dê atenção. Não seja um prestador de serviços, seja um parceiro. Afinal, muitas profissões estão defasadas justamente porque o que mais se tem por aí é “prestador de serviço”, daqueles que fazem o que o cliente pede, não opinam, não orientam, simplesmente fazem “o necessário para ganhar dinheiro“.

Bom, não vou julgar, cada um trabalha da forma que achar melhor. O cliente não é burro, só precisa de orientação – é por isso que ele está contratando alguém. O resto… bom, o resto depende.

Portfolio online: um passo para o profissionalismo

Não basta ter trabalhos legais, a apresentação também precisa ser boa. E também não adianta ter uma apresentação espetacular e poucos trabalhos bons, por isso eu reforço: Faça trabalhos por conta própria e mostre suas ideias. Meu portfolio de publicidade, tal qual meu portfolio de design gráfico, só tem trabalhos estudantis e alguns que fiz por conta própria. Além de preencher seu portfolio, trabalhos por conta própria são uma ótima forma de evoluir seu trabalho.

Ter um portfolio online é importante, nem que seja um portfolio padrão feito em algum site do ramo ou rede social. Mas nunca, NUNCA faça algo só por fazer. Seja profissional.