O que é Briefing e qual é a sua importância?

Não sabe o que é um nem nunca viu um modelo de briefing? Eles são bastante comuns nas áreas de publicidade e design. Conheça o briefing!

Se há uma verdade absoluta nas áreas de web design e publicidade, é a seguinte: Todo trabalho a ser feito precisa de um detalhamento. Por mais óbvio que o mesmo pareça. Um briefing bem escrito é sempre obrigatório.

Aliás, essa é uma verdade absoluta em várias áreas. Que tal um exemplo?

» Siga-me no twitter, assine o feed ou a newsletter para ler mais novidades!

Mas pra que detalhar algo que parece óbvio?

Digamos que você precisa de uma mesa para a sua sala, então você entra em contato com um marceneiro e pede por uma “mesa simples”, daí o marceneiro diz “Eu preciso ir até a sua casa para fazer algumas medidas, verificar qual será a melhor solução para o espaço que você tem e lhe apresentar alguns materiais que podem ser utilizados no acabamento dessa mesa.”, mas você diz que não precisa de nada disso, porque você quer apenas uma mesa simples. Uma tábua, quatro pés. Quatro cadeiras.

É só isso, uma mesa simples.

Bom, vejamos: O marceneiro tem em mente que o cliente quer uma mesa e quatro cadeiras. Tudo deve ser simples. Mas… qual é a definição de simples, afinal? E o que o cliente quer que seja simples? O visual? Ok, vamos deduzir que é o visual. E melhor: Vamos caçar, em lojas online, mesas e cadeiras de visual simples para termos uma ideia de valores (é claro, o preço de uma loja é diferente do preço de uma marcenaria, mas estamos só exemplificando).

Começamos com uma mesa:

mesa simples

Foto: ETNA

Simples até demais, não é mesmo? Justamente o que o cliente pediu: uma tábua e quatro pés. Qual é o preço dessa belezinha aí? Simples: R$ 1.700,00.

Agora vamos às cadeiras:

cadeira simples

Foto: ETNA

Bom, não combina nada com a mesa, mas também é simples de doer. Parece até aquelas cadeiras de escola pública, aquela coisa… simples, de baixo custo, que até dura um bocado quando elas não estão sendo jogadas contra seus coleguinhas. O preço dessa cadeira aí? Simplesmente R$ 1.100,00.

O orçamento total, então, seria de R$ 6.100,00 por uma mesa simples e quatro cadeiras simples. O cliente pode reclamar do preço? Claro que pode, só não seria justo. Afinal de contas, em algum momento o marceneiro fugiu do que lhe foi pedido? Não. Mas ok, o cliente tinha boas economias guardadas e estava precisando desses itens o quanto antes. Negócio fechado.

No dia da entrega, algumas surpresas: Primeiro que o cliente achou tudo muito feio, ele não imaginava que o marceneiro fosse levar o termo simples de forma absoluta. “Poxa, custava usar alguns detalhes arredondados ali, colocar um vidro em cima? E essas cadeiras, então? Cadê os estofados?”. Segundo que as cores utilizadas não combinavam em nada com o ambiente. Terceiro que a mesa nem coube no lugar.

Resumo: o cliente exige que o trabalho seja refeito, mas não quer pagar para que ele seja refeito. “Eu já paguei uma vez e não gostei, por que vocês não fazem da forma que eu goste e ponto?” – parece justo, não é? Hm, não. O cliente não deixou o profissional coletar detalhes que ele precisava para que o serviço fosse feito de forma que atendesse às necessidades dele, e quando o serviço “simples” foi entregue, o cliente pediu itens que fugiam totalmente do que ele havia pedido no começo (no telefonema ele não citou detalhes arredondados, vidro em cima, estofados e por aí vai). Ou seja, é um novo serviço, quase nada do que foi feito será reaproveitado. E o profissional precisa comprar novos materiais e pagar seus funcionários.

Quem é o grande vilão da história?

Calma, você não precisa ler o post até o fim pra descobrir, eu conto: Os dois. O cliente por querer que o profissional adivinhe o que lhe vai servir tendo apenas uma palavra como descrição (simples!) e o profissional por ter aceitado fazer o trabalho sem maiores detalhes sobre o mesmo. Mas agora chega de historinha e vamos falar de forma mais clara sobre esse tal de detalhamento, que leva uma palavra estrangeira: briefing.

O que é um briefing?

O briefing é, a grosso modo, o conjunto de informações necessárias para o desenvolvimento do trabalho. Ele normalmente é feito à partir de perguntas que o profissional faz para o cliente, além de estudos que o próprio profissional faz por conta própria – afinal, o cliente é quem sabe mais sobre sua empresa e o profissional é quem sabe mais sobre sua área, então a ideia é reunir esses dois conhecimentos em um debate para extrair não só o que o cliente quer, mas também quais são as melhores soluções segundo a experiência do profissional na área em que o serviço será prestado.

briefing

Clique na imagem para ler mais sobre o assunto e ver alguns modelos de briefing.

Por que um briefing é importante?

Se você leu a história no início do post deve ter tido uma noção desse tópico – acredite, esse tipo de situação ilustrada é comum -, mas não custa falar mais sobre o assunto: antes de se começar um trabalho, é imprescindível que o profissional saiba do que o cliente precisa e que o cliente saiba quais são as melhores opções. Ou seja, um briefing não é só para que o profissional possa fazer seu trabalho, mas também é para que o cliente entenda o que pode ser feito, porque muitas vezes ele pode ter uma ideia equivocada – uma coisa é certa: Se você contrata um profissional para fazer um tipo de trabalho, provavelmente você não sabe fazer o mesmo. Cada um tem suas experiências, e é importante que elas sejam colocadas em prática na área e na hora certa.

Outra coisa é certa: Não existe trabalho simples porque não há uma definição exata sobre o que é simples. Existem coisas visualmente simples que, por dentro ou em sua fabricação, são extremamente complexas e agregam valor – assim como existe o oposto, coisas visualmente complexas que na verdade são simples de serem feitas.

Aliás, por mais que possa parecer contraditório, a expressão “menos é mais” (less is more) acaba fazendo mais sentido agora.

Confira: Formulário de briefing para criação e desenvolvimento de sites

Vamos fazer um briefing?

Detalhamento é tudo. Não é como ir em um pronto-socorro e ser diagnosticado com uma Virose pelo médico que só te olhou – é fazer exames até descobrir o que está acontecendo e descobrir qual será o melhor tratamento. E assim como em médicos, você tem todo o direito de correr atrás de outros para ter uma “segunda opinião” – outros orçamentos, no caso. No fim, é o melhor para você que está em jogo.

E você, já fez seu check-up hoje?